TSE faz primeiro pente-fino e vê possível irregularidade em R$ 605 milhões nas campanhas eleitorais

  • 22/09/2022
Valor corresponde a 59 mil doações ou gastos eleitorais considerados suspeitos após cruzamento de dados com TCU, Receita, Coaf e outros órgãos. Casos serão enviados ao MP Eleitoral. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou nesta quinta-feira (22) que o primeiro cruzamento das prestações de contas das campanhas eleitorais de todo o país com dados de órgãos federais detectou 59.072 transações potencialmente irregulares. Somadas, elas superam a marca de R$ 605 milhões. A análise inicial não permite cravar que haja alguma irregularidade – indica apenas que houve alguma incongruência entre as informações declaradas pelos partidos e os bancos de dados de órgãos como Receita Federal, Tribunal de Contas da União, MP Eleitoral, Polícia Federal e Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A partir desse cruzamento, o TSE pode pedir a apuração efetiva de cada caso, com a coleta de provas materiais, por exemplo. Os casos são enviados ao MP Eleitoral, que pode aprofundar as investigações e, ao fim, apresentar uma denúncia à Justiça Eleitoral. Segundo o TSE, no caso de gastos com fornecedores, o cruzamento de dados emite um alerta de possível irregularidade quando a empresa tem número reduzido de empregados ou um sócio inscrito em programas como o Auxílio Brasil, por exemplo. Também são enviados para checagem casos em que a empresa fornecedora foi criada em 2022 e tem sócios filiados ou parentes de candidatos. Já no caso das doações, de acordo com o material divulgado pelo TSE, o cruzamento dos dados permite identificar se o valor doado é compatível com o patrimônio e a situação econômica do doador – se ele está empregado, se é beneficiário de programas sociais e até se ainda está vivo. O tribunal cita como exemplo a identificação de 190 doadores desempregados e seis que constam nas bases de dados do governo como falecidos. Há ainda 10.296 candidatos que receberam "numerosas contribuições feitas por diferentes empregados de uma mesma empresa", diz o TSE. Até o fim das eleições, os partidos devem enviar à Justiça Eleitoral novas prestações de contas, que serão submetidas ao mesmo processo de verificação. Até o dia 2 de novembro, as siglas devem prestar contas dos gastos totais do primeiro turno das eleições – a votação é em 2 de outubro.

FONTE: https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2022/noticia/2022/09/22/tse-faz-primeiro-pente-fino-e-ve-possivel-irregularidade-em-r-605-milhoes-nas-campanhas-eleitorais.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Anunciantes